Afinal, o deficiente auditivo pode ou não dirigir? Saiba aqui!

Afinal, o deficiente auditivo pode ou não dirigir? Saiba aqui!

De acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no Brasil, há cerca de seis milhões de pessoas com a capacidade auditiva reduzida. Grande parte dessa população ainda tem dúvidas se o deficiente auditivo pode dirigir.

Isso ocorre devido à falta de informações, ao receio em não conseguir obter a Carteira Nacional (CNH), à ausência de incentivos por parte das autoridades e dos familiares e à descrença da sociedade em relação ao deficiente auditivo.

Para um melhor entendimento sobre o assunto, elaboramos este artigo no qual comentamos sobre a CNH especial, exames que atestam a capacidade de dirigir, documentos necessários, bem como obstáculos que podem surgir e como superá-los. Continue lendo para saber mais!

A CNH especial

Os deficientes auditivos têm o direito de dirigir veículos automotores conforme a Resolução 168/2004 do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito) e suas alterações. Mas essa prerrogativa é garantida apenas para pessoas que tenham deficiência igual ou superior a 40 decibéis e para as categorias A e B de veículos automotores.

Em geral, eles podem obter a CNH especial, com ou sem o auxílio de aparelhos ou prótese auditiva, já que o principal sentido exigido para o ato de dirigir é a visão.

A carteira de habilitação especial tem o mesmo valor que a comum e funciona da mesma forma que o modelo tradicional. O único aspecto que a difere é um campo de observações, que indica as restrições que a pessoa com deficiência apresenta para dirigir. Essa informação é importante para que as autoridades de segurança de trânsito saibam como agir em determinadas situações.

Para obter a CNH especial, a pessoa deve ser previamente aprovada em exames médicos e psicotécnicos próprios para deficientes, em clínica credenciada pelo DETRAN (Departamento Estadual de Trânsito), que comprovem a capacidade auditiva e as habilidades para dirigir veículos.

Os exames para atestar que o deficiente auditivo pode dirigir

No exame médico, a acuidade auditiva dos pacientes é medida por meio da prova de voz coloquial. Com a pessoa colocada a dois metros de distância do examinador, ela é solicitada a falar algumas palavras, virada de costas para evitar a leitura labial.

Em caso de reprovação nesse exame, o médico responsável solicita uma audiometria tonal aérea — teste que mede o nível da redução auditiva. Quando a perda auditiva em algum dos ouvidos é igual ou maior que 40 decibéis, o deficiente necessita de um exame otoneurológico para obter a CNH.

Quando aprovada, a pessoa pode fazer matrícula em uma autoescola especializada em deficientes auditivos. No site do DETRAN, é possível acessar uma lista de escolas que contam com funcionários habilitados na linguagem de Libras.

O exame psicotécnico

Assim como para qualquer candidato, após aprovação na prova teórica, pode ser dado início às aulas práticas. Após aprovação na prova prática de baliza, o deficiente auditivo realiza um percurso com o veículo com o acompanhamento de um examinador e de um médico de trânsito, que verifica se as adaptações do carro estão de acordo com as necessidades da deficiência, entre outros aspectos.

O teste prático é avaliado por uma banca examinadora especial que reúne portadores de diferentes tipos de deficiência para a última etapa da avaliação.

A documentação exigida

Para solicitar uma CNH especial, o deficiente auditivo necessita ter mais de 18 anos, ser alfabetizado e penalmente imputável. Além disso, deve apresentar os seguintes documentos:

  • original e cópia dos documentos pessoais com foto;
  • comprovante de residência;
  • laudo médico da capacidade auditiva, física e mental;
  • resultado do exame psicotécnico.

A identificação dos automóveis dos condutores especiais

Uma das exigências para o deficiente auditivo obter a CNH é que utilize um adesivo no veículo com símbolo internacional de surdez. Ele tem por objetivo alertar os demais motoristas que o condutor do veículo é portador da deficiência, para uma maior segurança e um respeito à condição especial.

A disposição do símbolo internacional da surdez é obrigatória e definida por lei. Ele deve ser colocado de maneira visível no vidro traseiro dos automóveis de condutores especiais. No site da Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (Feneis), é possível ter orientações sobre como obter esse adesivo.

O símbolo também serve para que outros motoristas possam auxiliar os deficientes auditivos na direção, sinalizando por meio da luz dos faróis, sem necessidade de utilizar buzinas. Além disso, o uso do adesivo pode ser duplicado, colocando um na parte dianteira do veículo, e outro atrás, a fim de melhorar a identificação por autoridades e policiais.

As dificuldades que podem surgir

Alguns deficientes auditivos podem encontrar dificuldades para conseguir a Carteira de Habilitação pela falta de acesso ao processo, tendo em vista que a maioria das pessoas com essa deficiência depende da linguagem de Libras para a comunicação.

Além disso, eles podem ter como principal barreira para obter a CNH a própria família, que, muitas vezes, age com desprezo ou superproteção. Esse é um aspecto que pode impactar de forma negativa na qualidade de vida do deficiente auditivo.

O que fazer para transpor os obstáculos

A Resolução do CONTRAN nº 558/2015 obriga a disponibilização de intérpretes de Libras por órgãos e entidades executivas de trânsito em todas as etapas do processo de habilitação. Entretanto, muitas autoescolas ainda não contam com funcionários que saibam a língua dos sinais para instruções básicas.

Nesse sentido, é possível obter ajuda da Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos, que conta com intérpretes para auxiliar as pessoas com deficiência no processo de obtenção de CNH.

Quanto aos obstáculos impostos pela família, o deficiente auditivo deve conversar com os membros mais próximos a fim de conscientizá-los sobre a possibilidade de assumir a direção de um veículo, com base em legislação e exames que permitem a obtenção da CNH para os portadores da deficiência.

Conforme verificamos, o deficiente auditivo pode dirigir e tem esse direito garantido por legislação específica. Para tanto, é necessário ser aprovado em exame de audição, realizado por uma clínica credenciada pelo DETRAN, bem como em provas teóricas e práticas de habilitação automotiva.

Este artigo foi útil? Então, siga as nossas redes sociais para acompanhar mais conteúdos sobre os direitos dos deficientes auditivos. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Instagram e no YouTube!

Sem comentários
Publicar um comentário
Name
E-mail
Website