Otite: saiba quais são os tipos, as causas e os tratamentos

Quais são as causas e como prevenir a perda auditiva induzida por ruído?

De acordo com os dados da Sociedade Brasileira de Otologia (SBO), 35% dos casos de surdez se referem à perda auditiva induzida por ruído (PAIR). Trata-se de uma diminuição na capacidade de ouvir, provocada por exposição constante a ruídos de alta frequência.

Os ruídos são interferências ou barulhos desagradáveis que provocam poluição sonora, como os que são emitidos no ambiente de trabalho, shows, boates e festas. Além disso, a utilização indiscriminada de fones de ouvido contribui para o crescimento estatístico dos casos desse tipo de perda auditiva.

Neste artigo vamos comentar sobre as principais causas da perda auditiva induzida por ruído, bem como os seus sintomas e formas de prevenção. Continue lendo para saber mais!

Principais causas da perda auditiva induzida por ruído

No interior do ouvido estão localizadas as células ciliadas, responsáveis por captar e transmitir os sons ao cérebro. Quando os sons se apresentam em alta frequência e são ouvidos por um longo período, destroem essas células gradativamente e provocam a perda auditiva.

Em geral, o aparelho auditivo começa a desenvolver lesões em suas células devido à exposição a sons com intensidade a partir de 80 dB (decibéis), de forma constante, por um período acima de 30 minutos. Veja a seguir as principais causas dessa condição.

Utilização de fones de ouvido em alto volume

No trabalho ou nos momentos de lazer, o fone de ouvido tem sido muito utilizado, mas nem sempre da forma correta. Apesar de ser prático, a utilização exagerada e inadequada vem se apresentando como uma ameaça à saúde auditiva, pois os ruídos constantes podem causar uma perda auditiva neurossensorial.

Essa é uma perda de audição irreversível que ocorre por lesão das células sensoriais do aparelho auditivo. Nesse sentido, é importante saber que o fone de ouvido nunca deve ultrapassar a intensidade média do aparelho.

Isso significa que se o volume do aparelho oferecer uma variação entre 0 e 10, a pessoa não deve ultrapassar o nível 5, que é a sua média e representa a intensidade tolerável de som. A partir disso começam os riscos de perda auditiva.

Explosão de fogos de artifícios e outros ruídos repentinos

Quando a exposição ao ruído ocorre de forma súbita e muito intensa, como a explosão de fogos de artifícios, pode provocar um trauma acústico e lesar temporária ou definitivamente várias estruturas do ouvido.

Outra alteração auditiva provocada pela exposição a um ruído intenso pode ocorrer com uma mudança transitória de limiar. Nesse caso, há uma redução da acuidade auditiva temporária, podendo normalizar após um período de afastamento do ruído.

Powered by Rock Convert

Ruído ocupacional

Também conhecida como PAIRO, a Perda Auditiva Induzida por Ruído Ocupacional é uma doença desenvolvida no ambiente de trabalho pela exposição constante a ruídos e pressões sonoras que provocam a redução gradual da audição.

Um dos grandes empecilhos para a identificação da doença é o fato de o trabalhador não sentir a perda auditiva de forma repentina, pois ela ocorre ao longo do tempo. Embora essa perda não leve à surdez total, a redução na capacidade auditiva é significativa e perceptível. No ambiente de trabalho a perda da audição pode ocorrer por:

  • ruídos — acima de 85 decibéis;
  • vibrações — além do som, a sua vibração também contribui de forma direta para a perda auditiva;
  • substâncias químicas — solventes orgânicos (tolueno, butanol, xileno e dissulfeto), gases (nitrato de butila e monóxido de carbono), metais (arsênio, manganês e mercúrio).

Sintomas da PAIR

No início é difícil notar a perda auditiva, mas alguns sintomas podem indicar o problema, como:

  • coceira no ouvido;
  • dificuldade em ouvir conversas em ambientes com muito barulho;
  • dor de cabeça constante;
  • incapacidade de escutar sons mais agudos;
  • insônia;
  • irritação em locais com muito barulho;
  • perda auditiva temporária ou permanente;
  • sensação de pressão no ouvido;
  • sensação de zumbido, principalmente quando se está em local silencioso;
  • sons que parecem distantes e abafados;
  • transtornos neurológicos;
  • vertigens.

Esses sinais podem persistir por horas ou dias após a exposição ao barulho. Mesmo quando eles param, algumas células do sistema auditivo podem ter sido danificadas de maneira irreversível. Por esse motivo, é importante adotar medidas de prevenção.

Prevenção da PAIR

Além de observar os cuidados em relação à utilização dos fones de ouvido, é importante adotar atitudes de prevenção, principalmente no ambiente de trabalho, utilizando de forma correta os equipamentos de proteção. Veja a seguir como se prevenir.

Consulte o médico regularmente

Por ser silenciosa e gradual, é fundamental consultar um otorrinolaringologista periodicamente para que a perda auditiva seja identificada e tratada a tempo. Os exames clínicos e de audiometria são essenciais para o acompanhamento médico, principalmente em casos de pessoas que trabalham em ambientes com altos ruídos, como indústrias e profissionais de bandas musicais.

Respeite o limite máximo de exposição diária

De acordo com a NR-15 de 29 de setembro de 2015, que regulamenta a Portaria do Ministério do Trabalho nº 3.214/1978, os limites de exposição diária a ruído contínuo ou intermitente devem ser de acordo com os seguintes parâmetros:

  • 85 dB até 8 horas;
  • 86 dB até 7 horas;
  • 87 dB até 6 horas;
  • 88 dB até 5 horas;
  • 89 dB até 4 horas e 30 minutos;
  • 90 dB até 4 horas;
  • 91 dB até 3 horas e 30 minutos;
  • 92 dB até 3 horas;
  • 93 dB até 2 horas e 30 minutos;
  • 94 dB até 2 horas;
  • 95 dB até 1 hora e 45 minutos;
  • 98 dB até 1 hora e 30 minutos;
  • 100 dB até 1 hora;
  • 102 dB até 45 minutos;
  • 104 dB até 35 minutos;
  • 105 dB até 30 minutos;
  • 106 dB até 25 minutos;
  • 108 dB até 20 minutos;
  • 110 dB até 15 minutos;
  • 112 dB até 10 minutos;
  • 114 dB até 8 minutos;
  • 1155 dB até 7 minutos.

Utilize protetores auriculares

É dever das empresas estabelecer regras e oferecer equipamentos como protetores auriculares para evitar riscos aos colaboradores. Esses equipamentos ajudam na redução dos ruídos, protegendo o sistema auditivo de possíveis lesões.

Como vimos, o processo de perda auditiva induzida por ruído é lento e gradual, podendo, no início, passar despercebido. Além da prevenção é importante consultar um otorrinolaringologista quando sentir qualquer alteração nos ouvidos para evitar agravamentos e prevenir perdas auditivas.

Gostou deste artigo? Caso esteja sentindo alguma alteração na audição entre em contato conosco e agende uma avaliação gratuita!

4 Comentários
  • Genntil Correa Cardoso

    o meu sintoma é zumbido e batidas de bigornas, não tenho problema em ouvir, mas parece que estou em meio a muitas cigarras.

    18:12
    reply
  • Genntil Correa Cardoso

    o meu sintoma é zumbido e batidas de bigornas, não tenho problema em ouvir, mas parece que estou em meio a muitas cigarras.

    18:12
    reply
Publicar um comentário
Name
E-mail
Website