7 dicas para convencer o idoso a fazer tratamento auditivo

Embora muitos idosos apresentem dificuldades para ouvir, é comum que eles se mostrem resistentes ao tratamento auditivo. Os motivos são muitos, os quais vão desde a vergonha de mostrar para outras pessoas que eles sofrem com a deficiência auditiva até o medo de não conseguir se adaptar ao aparelho.

Na terceira idade, os pacientes costumam ser mais difíceis de lidar, pois geralmente não acreditam em uma eventual recuperação.

Nesse momento, você precisa se mostrar calmo e incentivar o idoso a comparecer a todas as consultas com o fonoaudiólogo e, ainda, a realizar em casa todas as atividades que o profissional indicar.

Mesmo tendo ciência dessas questões, você ainda tem dificuldades de fazer o idoso entender a importância do tratamento auditivo? Neste post listamos 7 dicas que vão ajudar você a convencer o paciente. Acompanhe!

1. Explique que o tratamento trará mais independência

O primeiro sentimento que toma conta de uma pessoa idosa quando ela sente os sintomas iniciais da perda auditiva é a frustração de ter que depender de terceiros para realizar suas atividades diárias, principalmente se ela é uma pessoa ativa e independente.

Sendo assim, quando o idoso apresentar resistência ao tratamento auditivo, é importante explicar que ele terá a sua independência de volta, pois se sentirá mais seguro quando puder ouvir melhor os sinais de alerta e defesa (sons de alarmes, buzinas, por exemplo) e entender melhor durante as conversas diárias.

Ao iniciar o tratamento, o fonoaudiólogo indicará o aparelho auditivo adequado ao caso. Aos poucos, o usuário conseguirá identificar os sons e, assim, terá a liberdade para seguir com sua vida de maneira autônoma, sem precisar do auxílio de terceiros.

2. Conte a ele que terá mais qualidade de vida

O tratamento auditivo devolverá a qualidade de vida do idoso. Nessa fase da vida, todo detalhe faz diferença, desde conseguir ir ao mercado da esquina sozinho até poder assistir seu programa de TV favorito. São pequenas coisas que fazem com que a pessoa na terceira idade se sinta bem e produtiva.

Quando isso não é possível, o paciente fica triste e desmotivado, desencadeando uma série de problemas emocionais, como ansiedade, depressão e isolamento social. O uso do aparelho auditivo e o acompanhamento médico possibilitará que o idoso saia da sua zona de conforto, fazendo com que ele tenha um novo estímulo e se sinta mais confiante. Percebendo isso, ele terá uma melhor qualidade de vida e se sentirá mais motivado a dar continuidade ao tratamento.

3. Deixe claro que os aparelhos auditivos são confortáveis

Uma das maiores objeções de quem precisa fazer uso do aparelho auditivo está relacionada à perda do conforto. Isso já foi uma realidade, mas há muitos anos. Hoje, a tecnologia desses aparelhos evoluiu muito, o que faz com que eles tenham recursos automáticos que filtram ruídos e proporcionam maior entendimento de fala e conforto, e dessa forma, não prejudicam o bem-estar do usuário e ainda possuem um design moderno e discreto.

Sendo assim, os aparelhos auditivos não causam perda de qualidade de vida, muito pelo contrário! A evolução dos aparelhos auditivos está sempre ligada às experiências e necessidades dos usuários. Eles estão cada vez menores — com o objetivo de proporcionar mais conforto ao paciente — e mesmo com o tamanho diminuído, sua qualidade é ainda maior, pois eles possuem diversos recursos funcionais que antes não existiam.

4. Busque exemplos de pessoas que já fazem o tratamento auditivo

Você conhece alguém que também enfrenta o problema da perda de audição? Se sim, ótimo! Converse com essa pessoa e peça para que ela mostre ao idoso o quanto o aparelho auditivo mudou a sua vida. Ninguém melhor que o próprio usuário para contar como é essa experiência, não é mesmo?

Powered by Rock Convert

Caso você não conheça ninguém com esse problema, procure por depoimentos na Internet e mostre ao idoso os benefícios que o tratamento auditivo proporcionou para aqueles usuários. É de suma importância que o paciente perceba o quanto essas pessoas estão felizes e realizadas com o uso do aparelho. Dessa maneira, ele se sentirá mais motivado a fazer o mesmo.

5. Demonstre as consequências da perda auditiva

Se até agora nenhuma dessas alternativas foi suficiente para convencer o idoso a respeito da importância do tratamento auditivo, chegou a hora de pegar um pouco mais pesado e demonstrar as consequências da perda auditiva. Explique que ele corre o risco de:

  • desenvolver doenças emocionais;
  • se tornar mais inseguro;
  • prejudicar o relacionamento com seus familiares;
  • aumentar o desgaste emocional;
  • desenvolver paranoias;
  • perder a autoestima.

Todos esses problemas tornam o quadro clínico mais grave, pois além de ter que tratar a perda de audição, outros transtornos serão desenvolvidos e, com isso, o consumo de medicamentos aumentará.

Embora você tenha que ser mais firme nesse momento, é importante manter a boa educação e mostrar dados reais de pesquisas sobre o assunto.

6. Ressalte a importância do convívio social

Quando o idoso começa a ter dificuldades para ouvir, ele se sente muito envergonhado porque a maioria das pessoas não sabem lidar com a situação. Algumas delas falam gritando ou muito devagar, e isso acaba irritando mais do que ajudando a pessoa que sofre com a deficiência auditiva.

A vergonha aumenta quando ele precisa pedir para as pessoas repetirem o que foi dito, sem contar que em ambientes com muita aglomeração, como restaurantes, festas e shoppings, os pacientes sentem mais dificuldade de ouvir.

Tudo isso faz com que o idoso se isole e não queira interagir com os demais. Nesse momento, você precisa explicar que o convívio social é muito importante para que ele não se sinta sozinho e, nesse sentido, o aparelho auditivo faz toda a diferença. Ressalte também que existem acessórios específicos para o usuário falar ao telefone, por exemplo, sem ajuda de terceiros.

7. Procure a ajuda de um especialista

Por fim, é importante destacar que a ajuda de um especialista é indispensável no tratamento auditivo, pois somente ele tem a expertise necessária para indicar o aparelho mais adequado para o paciente.

De início, o responsável por diagnosticar a perda de audição é o otorrinolaringologista. Depois, ele encaminhará o idoso ao fonoaudiólogo, que analisará o caso para indicar o tratamento necessário.

Seguir à risca as orientações desse profissional é essencial para ter os resultados esperados, os quais não aparecem da noite para o dia — é válido lembrar!

Depois de colocar em prática essas orientações, convencer o idoso a realizar o tratamento auditivo se tornará um processo muito mais fácil. Sempre destaque o quanto ele ganhará em qualidade de vida ao seguir as orientações médicas e o ajude a não desistir no meio do caminho. Seu papel é fundamental para mantê-lo motivado!

Agora que você já sabe como convencer o idoso a iniciar o tratamento auditivo, é importante saber como evitar a surdez. Veja esses quatro cuidados indispensáveis.

Sem comentários
Publicar um comentário
Name
E-mail
Website